Produção, circulação e uso de textos escolares e livros de leitura na escola elementar gaúcha

Eduardo Arriada Arriada, Gabriela Medeiros Nogueira

Resumen


Este trabalho investiga a produção e o uso de livros de leitura na escola elementar no Rio Grande do Sul, no período compreendido entre 1832 e 1930, contexto histórico que contempla duas propostas, dos liberais e dos positivistas. Ler e escrever passava a significar modernidade. O processo de modernidade teve especial significação no Brasil no século XIX. Entre as esferas de sua influência, a que mais se destacou foi a do recinto escolar. A ideia de civilizar a população por meio de um saber vinculado à moralização, ordenamento religioso, civilidade, etc., passou a não ser suficiente para a formação do novo homem alfabetizado demandado pelo novo padrão de desenvolvimento industrial. Os conteúdos escolares, nesse processo foram utilizados pelos dirigentes como instrumento de construção do cidadão rio-grandense dos novos tempos do capitalismo. O recorte temporal prende-se ao fato de 1832 ter sido editada a primeira cartilha no Estado do Rio Grande do Sul, por sua vez, com a Revolução de 1930, as particularidades dos Estados deixam de existir.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia Creative Commons
Los trabajos publicados en esta revista están bajo la licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina.

Historia de la Educación. Anuario . ISSN en línea 2313-9277. Sociedad Argentina de Historia de la Educación. Puan 480, 4to piso C.A.B.A. Tel. (54-11) 4432-0606, int. 126 http://www.sahe.org.ar/ anuario.sahe@gmail.com