Avaliação da atividade anti-Leishmania e anti-Trypanosoma do extrato etanólico das folhas de Annona squamosa L.

Marta Regina Kerntopf, Francisco Rodolpho Sobreira Dantas Nóbrega de Figueiredo, Gyllyandeson de Araújo Delmondes, Luzia Paulo da Cruz, Érika Amaro do Nascimento, Saulo Relison Tintino, Izabel Cristina Santiago Lemos, Francisco Assis Bezerra da Cunha, Maria Celeste Vega Gomez, Cathia Coronel, José Galberto Martins da Costa, Henrique Douglas Melo Coutinho, Cícero Francisco Bezerra Felipe, Irwin Rose Alencar de Menezes

Resumen


As doenças parasitárias, também chamadas de “doenças negligenciadas”, continuam sendo uma grande dificuldade para o desenvolvimento social e econômico dos países mais pobres. Podemos citar como exemplo dessas doenças, a leishmaniose e a doença de Chagas. A leishmaniose é causada por parasitas do gênero Leishmania e afeta cerca de 12 milhões de pessoas. A doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, causa aproximadamente 50.000 mortes por ano. Os fármacos disponíveis para o tratamento dessas doenças são altamente tóxicos, sendo este um dos motivos que leva à busca por drogas eficazes e seguras para seus tratamentos. As folhas da Annona squamosa, espécie da família Annonaceae, já foram descritas na literatura por suas atividades hepatoprotetora, antiparasitária, pesticida e antimicrobiana. Nesse estudo avaliamos a atividade anti-leishmania e tripanocida do extrato etanólico das folhas de Annona squamosa L. (EEAS) em formas promastigota do parasita Leishmania braziliensis e Leishmania infantum e epimastigota de Trypanosoma cruzi, além de avaliar a atividade citotóxica em fibroblasto. Os resultados demonstram que o extrato apresentou uma melhor atividade contra Leishmania infantum e Leishmania brasiliensis quando comparados com Trypanosoma cruzi; e que apresentou uma maior toxicidade nas concentrações de 500 e 1000 µg/ml, com mortalidade dos fibroblastos de aproximadamente 85% e 100%, respectivamente. Esse estudo aponta para uma perspectiva terapêutica alternativa que se mostrou eficaz frente aos parasitas aqui estudados, exceto a forma epimastigota de Trypanosoma cruzi. Com relação aos testes de citotoxicidade fazem-se necessários novos testes, uma vez que apresentou um alto nível de toxicidade, viabilizando assim futuros ensaios in vivo.

Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Acta Toxicológica Argentina ISSN 0327 9286 (impreso) - ISSN 1851-3743 (en línea). Alsina 1441, Of. 302, (CP 1088), C.A.B.A. www.ataonline.org.ar