Del inesperado en etnografía con participación de niños y jóvenes.

Regina Coeli Machado e Silva, Maria Dantas-Whitney, Antonádia Monteiro Borges, Raissa Menezes de Oliveira

Resumen


En este artículo presentamos un panorama reducido de un extenso y diversificado relevamiento de investigaciones etnográficas en colaboración con niños, niñas y jóvenes en Brasil, realizado entre 2016 y 2017. Del amplio y valioso repertorio de temas, problemas, abordajes y contextos que caracterizan las investigaciones etnográficas con niños y jóvenes que se han encontrado, nos detendremos en dos estrategias colaborativas cuya particularidad es haberse desarrollado en un mismo contexto en el que la participación de los niños incluyó reflexivamente la participación de los investigadores. Por otra parte, evidenciamos que la particularidad de la relación de la investigación entre niños e investigadores desencadena cuestiones de orden ético, epistemológico y teórico-metodológico importantes para la reflexión del proceso de construcción de conocimientos en el cual las estrategias colaborativas como la participación de los niños, en sí mismas, crean una configuración relacional particular inseparable de la reflexividad activa del investigador en el campo. Resaltamos que las investigaciones etnográficas con la colaboración de los niños se han mostrado como un desafío estimulante para los estudios académicos y que las diferentes concepciones de los niños y los adolescentes presentes en ellas son también parte de un reciente debate público y político en el País.

Citas


Alves, C. A., Deslandes, S. F., &; Mitre, R. M. A. (2009). Desafios da humanização no contexto do cuidado da enfermagem pediátrica de média e alta complexidade. Comunicação, Saúde, Educação, 13(1), 581-594.

Alves, Mirela de Brito. (2014). Entre cobras e lagartixas: Crianças em instituições de acolhimento se construindo sujeitos na maquinaria da proteção integral. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina.

Altman, H. (2009). A Educação sexual em uma escola: da reprodução à prevenção. Cadernos de Pesquisa, 39(136), 175-200.

Amaral, Marta Araújo. (2005). Entre o desejo e o medo: oficinas de trabalho como espaço de reflexão e empoderamento de adolescentes. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo.

Amoras, M.; Motta-Maués (2016). Ser um trabalhador/tornar-se um abacataense: criança, socialização e identidade em uma Comunidade Quilombola da Amazônia-PA. Latitude, vol.10, n.2, 251-285.

Azevedo, Alexandre Maurício Fonseca de. (2014). Crianças especiais na Ilha do Marajó: uma abordagem antropológica. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém.

Azevedo, Alexandre Maurício Fonseca de. (2006) Porto das brincadeiras no Porto-do-Sal (Belém-Pará): uma leitura antropológica das práticas da infância. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em ciências sociais, PA: UFPA.

Begnami, Patrícia dos Santos. (2014). Infâncias possíveis: ser crianças na favela do Gonzaga e no condomínio Jardim Paulista. Tese (Doutorado) – Universidade de São CartosCarlos: UFSCar.

Borba, Angela Meyer. (2005). Culturas da infância nos espaços-tempos do brincar: um estudo com crianças de 4-6 anos em instituição pública de educação infantil. Tese (Doutorado). Programa de pós-graduação em educação, RJ: UFF, 2005.

Borges, Antonádia Monteiro. (2016). República das Mangas ou sobre o amargo gosto de tudo o que amadurece à força. Repocs, v.13, n.25, jan/jun. 2016, 22-42.

Bruno, M. M. G., & LIMA, J. M. S. (2015). As formas de comunicação e de inclusão da criança Kaiowá surda na família e na escola: um estudo etnográfico. Revista Brasileira de Educação Especial, 2015(1), 127-142.

Bueno, Michele Escoura. (2012). Girando entre Princesas: performances e contornos de gênero em uma etnografia com crianças. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bulhões, J. R. S. R. & SANTOS, J. D. F. &; REBOUÇAS, S. S. L. P. (2016). Infância e segurança pública: desvelando o medo que crianças de tenra idade possuem do aparato policial. Latitude, vol.10, n.2, 353-381.

Buss-Simão, M. (2013). Gênero como possibilidade ou limite da ação social: um olhar sobre a perspectiva de crianças pequenas em um contexto de educação. Revista Brasileira de Educação, 18(55), 939-1064.

Calaf, Priscila Pinto. (2007). Criança que faz criança: (des)construindo infância e sexualidade com meninos e meninas de rua. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, DF: UnB.

Campos, Juliana de Oliveira. (2011). A criança de 6 anos no ensino fundamental de 9 anos na perspectiva da qualidade na educação infantil. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília, Brasília.

Carvalho, L. D. (2015). Crianças e Infâncias na educação (em tempo) integral Educação em Revista, 31(4), 23-43.

Carvalho, Regiane Sbroion de (2011). Participação infantil: reflexões a partir da escuta de crianças de assentamento rural e de periferia urbana. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP. Ribeirão Preto, SP.

Castanheira, M. L., Neves, V. F. A., & Gouvêa, M. C. S. (2013). Eventos interacionais e eventos de letramento: um exame das condições sociais e semióticas da escrita em uma turma de educação infantil. Cadernos CEDES, 33(89), 91-107.

Coelho, Glaucineide do Nascimento. (2004). Espaço vivido favela: brincadeiras infantis nos espaços livres da Rocinha. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Corsi, B. R. (2010). Conflito na educação infantil: o que as crianças têm a dizer sobre ele? Dissertação (Mestrado) Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo, São Paulo.

Costa, Bruno Muniz Figueiredo. (2016). Geografia escolar: crianças e infâncias no primeiro ano do ensino fundamental em Juiz de Fora (MG). Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2016.

Couto, Gustavo Belisário Araújo. (2016). Brincando na terra: tempo, política e faz de conta no acampamento Canaã (MST-DF). Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Sociaol – DAN. Brasília: UnB.

Cruz, T. M. (2012). Gênero e culturas infantis: os clubinhos da escola e as trocinhas do Bom Retiro. Educação e Pesquisa, 38(1), 63-78.

Delorme, M. I. C. (2013). As Crianças e as Notícias da Televisão. Educação em Revista, 29(1), 205-223.

Dornelles, L. V., & Marques, C. M. (2015). Pedagogias da racialidade: modos de se constituir crianças negras em escolas de educação infantil do Brasil. Propuesta Educativa, 43(24), 113-122.

Duarte, Camila Tanure. (2015). Relações educativas no brincar na educação infantil e no ensino fundamental: construção de identidades e autonomia em crianças. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlo, SP.

Evans-Pritchard, E.E. (2005). Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed.

Facci, Douglas Tadeu da Silva. (2013). A nova cruzada das crianças: um estudo de caso sobre as condições sociais de infância na contemporaneidade. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Freitas, Tayanne da Costa. (2015). A criança e a escola: práticas corporais em tempos e espaços institucionalizados. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade de Brasília, Brasília.

Fians, Guilherme Moreira. (2015). Imanências, verdades e contingências: Uma etnografia de brincadeiras infantis. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.

Futata, Flavia Pimentel Lopes. O imaginário da passagem: imagens e símbolos no encontro com adolescentes em privação de liberdade na Fundação Casa. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Gatto, Érica Rivas. (2013). Narrativas das crianças com os filmes: reflexões sobre a infância e consumo a partir do cineclube megacine. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em educação, RJ: UNIRIO.

Gomes, M. F. C., Neves, V. F. A., &; Dominici, I. C. (2015). A psicologia histórico-cultural em diálogo: a trajetória de pesquisa do GEPSA. Fractal: Revista de Psicologia, 27(1), 44-49.

Guber, Rosana. (2001). La etnografía, método, campo y reflexividad. Bogotá: Grupo Editorial, Norma.

Hilgert, Ione Maria Plazza. (2006). O que as crianças falam sobre matemática? Um estudo com crianças da primeira série do ensino fundamental do município de Cascavel/Paraná. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.

Karlsson, Juliane Karla Freitas. (2012). A visão das crianças sobre sua participação no contexto escolar: a vez e a voz da infância. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em psicologia, AM: UFAM.

Lara, J. S.; Castro, L. R. (2016). As crianças no encontro com o outro: uma perspectiva relacional e afetiva da responsabilidade. Latitude, 10(2), 217-249.

Lasaretto, Lucilaine Nunes. (2009). Tribos de adolescentes em situação de medida socioeducativa: um estudo analítico-descritivo (2006-2007). Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências e Letras – Unesp/Araraquara, SP.

Leal, Júlia Munareto. (2012). Comunicação e Educação: para uma abordagem política da identidade e da diferença na escola. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação Midiática, Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria, RS.

Lino, Dulcimarta Lemos. (2009). Barulhar: a escuta sensível da música nas culturas da infância. Tese (Doutorado). Programa de pós-graduação em educação, RS: UFRGS.

Mafra, Aline Helena. (2015). “Aqui a gente tem regra pra tudo”: formas regulatórias na educação das crianças pequenas. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em educação, SC: UFSC.

Milstein, Diana. (2007). Ser mujer y antropóloga em la escuela: una experiência de trabajo de campo con niños y niñas. Em BONETTI, Aline & FLEISCHER, Soraya. Entre saias justas e jogos de cintura. Florianopolis; Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Miraglia, P. (2005). Aprendendo a lição: uma etnografia das Varas Especiais da Infância e da Juventude. Novos Estudos - CEBRAP, 72, 79-98.

Malfitano, A. P. S., Adorno, R. C. F., & Lopes, R. E. (2011). Um relato de vida, um caminho institucional: juventude, medicalização e sofrimentos sociais. Comunicação, Saúde, Educação, 15(38), 701-714.

Malvasi, P. A. (2011). Entre a frieza, o cálculo e a “Vida Loka”: violência e sofrimento no trajeto de um adolescente em cumprimento de medida socioeducativa. Saúde e Sociedade, 20(1), 156-170.

Marcelle, E. & Haddad, L. (2016). Entre meninos e meninas: fronteiras de gênero borradas em contexto de educação infantil. Latitude, vol.10, n.2, 425-454.

Monção, M. A. G. (2015). O compartilhamento da educação das crianças pequenas nas instituições de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, 45(157), 652-679.

Nascimento, Andréa Zemp Santana do. (2009). A criança e o arquiteto: quem aprende com quem? Dissertação (Mestrado) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Nascimento, S. J. (2014). Múltiplas vitimizações: crianças indígenas Kaiowá nos abrigos urbanos do Mato Grosso do Sul. Horizontes Antropológicos, 20(42), 265-292.

Neves, V. F. A., Castanheira, M. L., & Gouvêa, M. C. S. (2015). O letramento e o brincar em processos de socialização na educação infantil: brincadeiras diferentes. Revista Brasileira de Educação Especial, 20(60), 215-244.

Neves, V. F. A., Gouvêa, M. C. S., & Castanheira, M. L. (2011). A passagem da educação infantil para o ensino fundamental: tensões contemporâneas. Educação e Pesquisa, 37(1), 121-140.

Neves, V. F. A., Munford, D., Coutinho, F. A., & Souto, K. C. N. (2017). Infância e Escolarização: a inserção das crianças no ensino fundamental. Educação e Realidade, 42(1), 345-369.

Nogueira, Christina Gladys de Mingareli; PIRES Flávia Ferreira. (2012). E quando a mãe vai embora? Família monoparental masculina e o Programa Bolsa Família em Catingueira-PB. Trabalho apresentado na 28ª. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 02 e 05 de julho de 2012, em São Paulo, SP, Brasil, no GT Família, Gênero e Geração. Disponível em: http://www.sistemasmart.com.br/rba/arquivos/1_6_2012_21_31_24.pdf. Acessado em 01/06/2012.

Noronha, Fernanda Silva. (2008). Pulando muros: jogos de rua e jogos de escola. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, SP.

Nunes, M. D. F. (2016) Cadê as crianças negras que estão aqui? o racismo (não) comeu. Latitude, vol.10, n.2, 383-423.

Oliveira, Joanne Paola Menezes de. (2012). Do ser-menina ao ser-mulher: experiências e sentidos do adolescer em contexto de acolhimento institucional feminino. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em psicologia, AM: UFAM.

Oliveira, Maria Cecília Rodrigues de. (2002). O processo de inclusão social na vida de adolescentes em conflito com a lei. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP.

Oliveira, Renata Cristina Dias. (2011). Agora eu...: Um estudo de caso sobre as vozes das crianças como foco da pedagogia da infância. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oliveira. Raissa Menezes. (2014). Homicídios de adolescentes negros e instituições: reflexões a partir do Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM). Dissertação (Mestrado). Departamento de Sociologia, ICS. Universidade de Brasília.

Pan, R. (2015). Significados da reinserção escolar de crianças após queimaduras: um estudo etnográfico. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Pereira, Viliete Márcia Silva de Mendonça. (2014). O olhar da criança sobre a brincadeira dos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em educação, RN: UFRN.

Pires, Flávia Ferreira. (2007). Quem tem medo de mal-assombro: religião e infância no semi-árido nordestino. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, RJ: Museu Nacional.

Queiroz, Brisa Evangelista de. (2015). “É uma garota com tom de garoto”: processo de recepção fílmica com crianças e adolescentes a partir do filme Tomboy. Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Ciências Sociais (FCS), Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Goiânia.

Resende, H. (org.), (2015). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte, Autentica Editora.

Rocco, Marcelo. (2015). A produção do espaço urbano na perspectiva da criança: entre a brincadeira e o conflito na favela da paz em São Paulo. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em ciências sociais, SP: PUCSP.

Sanches, Maria do Socorro Rayol Amoras. (2014). “No Abacatal (também), uma Flor”: um estudo antropológico sobre a relação criança & trabalho. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, PA: UFPA.

Santos, Josimara dos Reis. (2015). Crianças Kaiowá no espaço urbano da Vila Cristina, Amambai, MS: novos cenários de socialização. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal da Grande Dourados, MS: UFGD.

Santos, M. E. P., Lunardelli, M. G., Jung, N.M., & Silva, R. C. M. (2015). “Vendo o que não se enxergava”: condições epistemológicas para construção de conhecimento coletivo e reflexivo da língua(em) em contexto escolar. Delta, 31-especial, 35-65

Santos, Patrícia O. da Silva. (2011). Deixa eu Falar! Uma análise antropológica do Programa Bolsa Família a partir das crianças beneficiadas do alto sertão paraibano. Monografia de fim de Curso em Ciências Sociais, UFPB, João Pessoa.

Schuch, Patrice. (2005). Práticas de Justiça: uma etnografia do “Campo de Atenção ao Adolescente Infrator” no Rio Grande do Sul, depois do Estatuto das Crianças e do Adolescente. Teses (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Sekkel, M. C., Zanelatto, R., & Brandão, S. B. (2010). Uma questão para a educação inclusiva: expor-se ou resguardar-se? Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 296-307.

Silva, A. P. F. (2015). A etnografia e a produção de conhecimento teórico e metodológico nas pesquisas em educação: apontamentos sobre o fracasso escolar. Cuicuilco, 22(64), 223-244.

Silva, Antonio Luiz da. (2013). Pelas beiradas: duas décadas do ECA em Catingueira-PB. Dissertação (Mestrado) – UFPB/CCHL: João Pessoa.

Silva, Cassiana Rodrigues Alves. (2014). O meu rolê na raça: intersecções entre adolescentes, gênero e raça. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em antropologia social, SP: UFSCAR.

SilvA, Jessica Karoline Rodrigues da. (2011). “Eu compro tudo de pelota” o Programa Bolsa Família e a expansão do consumo infantil em Catingueira-PB. Trabalho Monográfico. Departamento de Ciência Sociais – UFPB, João Pessoa.

Silva, J. B. d., &; Silva, A. P. S. (2013). Vivências de crianças no ambiente rural: aproximações e distanciamentos na educação infantil. Revista Latinoamericana de Psicologia, 45(3), 349-360.

Silva, Mariana Galon da. (2015). Criação musical coletiva com crianças: possíveis contribuições para processos de educação humanizadora. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de São Carlos: São Carlos.

Silva, Peterson Rigato da. (2011). A presença masculina na educação infantil: Diversidade e identidade na docência. Em. FARIA, Ana Lucia Goulart de; FINCO, Daniela (Orgs.) Sociologia da Infância no Brasil. Campinas – SP. Autores Associados.

Silva, R. C. M. &; Godoy, M. E. C. (2016). “Tomar cuidado com o que eu falo”: ser criança na escola, ficar e brincar na rua. Latitude, vol.10, n.2, pp. 287-319.

Silva, R. C. M. (2016). Do Ipê Roxo na Cidade Nova: experiência etnográfica e aprendizagem situada. Etnográfica, 20(1), 119-142.

Silva, Rita de Cácia Oenning da Silva. (2008). Superar no movimento: etnografia de performances de Pirráias em Recife e mais além. Tese (Doutorado). Programa de pós-graduação em antropologia social, SC: UFSC.

Silva, Rosinete Paulino da. (2014) Com a palavra as crianças: o processo de constituição identitária da criança da comunidade quilombola de Acauã – Poço Brancço/RN. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – PPGAS, Natal: UFRN.

Silva, Sara Moitinho da. (2009). A criança negra no cotidiano escolar. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em educação, RJ: PUCRJ.

Silvia, Carla Andréa Lima da. (2007). Saberes e fazeres das crianças: manifestações das culturas infantis em situações dirigidas pela professora. Dissertação (Mestrado), Rio de Janeiro: UFRJ/Faculdade de Educação.

Silva Jardim, G. A. (2010). Reflexões antropológicas a partir de uma política pública para crianças. ISSN 1517-6916. CAOS - Revista Eletrônica de Ciências Sociais. Número 15 – Março de 2010. Disponível em:

http://www.cchla.ufpb.br/caos/n15/2%20artigo%20george.pdf. Acessado em 02/05/2012.

Sousa, E. L. (2016). Sociedade de marcação: corpo, conhecimento e experiência na infância Capuxu. Latitude, vol.10, n.2, 321-351.

Von Hauer, Karla Teixeira Dias. (2014). Religião, criança e pobreza: etnografia no Aterro Sanitário de Aparecida de Goiânia. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, GO: UFG.

Wenetz, I. (2011). Das escolhas que fiz: implicações etnográficas na pesquisa com crianças. Pro-Posições, 22(2), 133-149.

Werle, Kelly. (2015). Infância, música e experiência: fragmentos do brincar e do musicar. Tese (Doutorado). Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria, RS.

Zacarias, Lídia dos Santos. (2009). Conflitos em jogo: a visão das crianças. Tese (Doutorado) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Documentos oficiais:

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1998). Brasília: Senado Federal.

Lei n. 8.069 de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. (1990). Brasília: Senado Federal.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia Creative Commons
Los trabajos publicados en esta revista están bajo la licencia Creative Commons Atribución-NoComercial- Sin derivadas 2.5 Argentina.

Revista del CISEN Tramas/Maepova, publicación del Centro de Investigaciones Sociales y Educativas del Norte argentino de la Universidad Nacional de Salta (UNSa). ISSN-e 2344-9594. Av. Bolivia N° 5150. Ciudad de Salta. CP 4400. Argentina. Tel. (+54) 387 / 42-55551. Fax. (+54) 387 / 42-55520. Correo electrónico: tramas@unsa.edu.ar Página web: http://humani.unsa.edu.ar/cisen/

facebooktwitter

 


Adhiere a:
DORA