De Belmont Ao Odilon Galotti: As Comunidades Terapêuticas No Brasil E A Resistência À Ditadura Militar

Manoel Olavo Loureiro Teixeira

Resumen


O trabalho discute as origens e fundamentos do modelo de funcionamento do hospital psiquiátrico proposto pelas comunidades terapêuticas e analisa as características que o movimento adquiriu durante as experiências realizadas no Brasil, nas décadas de 1960 e 1970. Nesse período, as comunidades terapêuticas tornaram-se um veículo de penetração do pensamento psicanalítico no interior dos hospitais psiquiátricos, e também locais de exercício radical de práticas democráticas de funcionamento, configurandose como espaços de resistência política à ditadura militar então vigente no país. A experiência da comunidade terapêutica da Seção Olavo Rocha do Hospital Odilon Gallotti, implantada no Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio de Janeiro, dirigida por Oswaldo dos Santos, é discutida em maiores detalhes, por suas características paradigmáticas e grande repercussão, inclusive na formação profissional das futuras gerações de profissionais do campo psiquiátrico

Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Cultura Psi. Revista del Centro de Investigaciones Sociales del Instituto de Desarrollo Económico y Social. ISSN en Línea 2313-965x. Aráoz 2838 (C1425DGT), Buenos Aires, Argentina. Tel: (54 11) 4804-4949. Fax: (54 11) 4804-4949 http://saberespsi.ides.org.ar/ editor@culturaspsi.org