Migración como epopeya – Sobre la diáspora de los nordestinos en Brasil entendida desde el punto de vista de la narrativa de la canción "Pau de Arara", de Luiz Gonzaga y Guio de Moraes

Rafael José de Menezes Bastos

Resumen


Estudio antropológico y histórico de la canción "Pau de Arara", un maxixe de Luiz Gonzaga y Guio de Moraes, de 1952. Ella es entendida como narrativa verbal y musical sobre la migración nordestina hacia el sur de Brasil. La letra de la canción describe la migración como viaje épico. Parto de este hecho para poner en evidencia que la miseria de los medios materiales del viajante es francamente reemplazada por la riqueza de sus substratos musicales y culturales. La noción de diáspora de João Pacheco de Oliveira y James Clifford es empleada para comprender el universo de migraciones nordestinas, particularmente hacia São Paulo. En esa ciudad el género musical y danzante forró se revela como un substrato musical y cultural del viajante y la casa del forró como el punto central de sus pedaços, en el sentido que José Guilherme Magnani le atribuye al concepto.

Citas


Alfonsi, Daniela do Amaral. 2007. “Para todos os gostos: um estudo sobre as classificações, bailes e circuitos de produção do forró”. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo.

Chediak, Almir. 2013. Songbook de Luiz Gonzaga, vols. 1 e 2. São Paulo: Irmãos Vitale.

Clifford, James. 1997. Routes. Travel and Translation in the Late Twentieth Century. Cambridge/London: Harvard University Press.

DaMatta, Roberto. 1986. “A casa, a rua e o trabalho”. In O que faz o Brasil, Brasil, pp. 21-33. Rio de Janeiro: Rocco.

Dreyfus, Dominique. 1996. Vida de viajante: A saga de Luiz Gonzaga. São Paulo: Editora 34.

Ferretti, Mundicarmo Maria Rocha. 1988. Baião dos dois: Zé Dantas e Luiz Gonzaga. Recife: Fundação Joaquim Nabuco.

Frith, Simon. 1988. “Why Do Songs Have Words?”, Music for Pleasure, pp. 105-28. New York: Routledge.

Guerra-Peixe, César, 1970. “Zabumba, orquestra nordestina”. Revista Brasileira de Folclore 26: 15-37.

Hall, Stuart. 2003. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Magnani, J. G. Cantor. 1984. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Brasiliense.

Matos, Cláudia Neiva de e outros. 2001. Ao encontro da palavra cantada: poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras.

_____. 2008. Palavra cantada: poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Mello, Maria Ignez Cruz. 2005. “Iamurikuma: música, mito e ritual entre os Wauja do Alto Xingu”. Tese de Doutorado em Antropología Social. Universidade Federal de Santa Catarina.

Menezes Bastos, Rafael José de. 1977. “Situación del músico en la sociedad”. In Aretz, Isabel (org.), Situación del músico en la sociedad. México, pp. 103-138. DF/Paris: Siglo Veintiuno/UNESCO.

_____. 1996. “A ‘origem do samba’ como invenção do Brasil: Por que as canções em música?”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 31: 156-177.

_____. 2013. A festa da Jaguatirica: uma partitura crítico-interpretativa. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.

_____. 2014a. “Para uma antropologia histórica da música popular brasileira”, Antropologia em Primeira Mão 142: 1-61.

_____. 2014b. “Ensaio sobre Adoniran: um estudo antropológico sobre a ‘Saudosa maloca’”. Revista brasileira de ciências sociais 29 (84): 25-41.

_____. 2017. “Tradução intersemiótica, sequencialidade e variação nos rituais musicais das terras baixas da América do Sul”. Revista de antropologia 60 (2): 342-335.

_____. 2018. “Lupicínio Rodrigues e a Colônia africana de Porto Alegre – Maneiras de cantar como maneiras de sentir”. Ilha 20 (1): 7-88.

Oliveira, João Pacheco de. 1998. “Uma etnologia dos índios misturados? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais”. Mana 4 (1): 47-77.

Pereira, Leandro Ribeiro. 2012. “Os arranjadores da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, décadas de 1930 a 1960”. Revista brasileira de música 25 (1): 157-184.

Piedade, Acácio Tadeu de Camargo. 2004. “O canto do Kawoka: música, cosmologia e filosofia entre os Wauja do Alto Xingu”. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Universidade Federal de Santa Catarina.

Prado, Márcio Rubens. 2010. Montanhez. Belo Horizonte: Conceito.

Ramalho, E. B.. 2012. Luiz Gonzaga: a síntese poética e musical do Sertão/Luiz Gonzaga: A Poetic and Musical Synthesis of the Sertão. 2ª ed. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Rigamonte, Rosani Cristina. 2001. Sertanejos contemporâneos: entre a metrópole e o sertão. São Paulo: Humanitas.

Rocha Pereira, Maria Helena. 1986. “O herói épico e o herói trágico”. Kriterion 27 (76): 1-23.

Sá, Sinval. 1978. O sanfoneiro do Riacho da Brígida, 5ª edição. Brasília: Thesaurus.

Seeger, Anthony. 2013. “Fazendo parte: seqüências musicais e bons sentimentos”. Revista anthropológicas 17/24 (2): 7-42.

Silveira, Daiane de Lima Soares. 2014. “Migrantes nordestinas e escolarização no Pontal Mineiro (1950-1960): desafios, resistências, embates e conquistas”. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Uberlândia.

Siqueira, José. 1981. O sistema modal na música folclórica do Brasil. João Pessoa: [s.e.].

Tinhorão, J. R. 1976. Os sons que vêm da rua, 1ª edição. Rio de Janeiro: Edições Tinhorão.

Vieira, Sulamita. 2000. O Sertão em movimento: a dinâmica da produção cultural. São Paulo: Annablume.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia Creative Commons
Los trabajos publicados en esta revista están bajo la licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina.
El Oído Pensante ISSN 2250-7116 eloidopensante@gmail.com