La violencia política en el Brasil republicano: un análisis de las leyes y las instituciones represivas (1889-1988)

Rodrigo Patto Sá Motta

Resumen


El trabajo presenta un balance analítico sobre la historia de la violencia de naturaleza política practicada por el Estado brasileño en un marco temporal que se inicia con la implantación de la República (1889) y finaliza con la aprobación de la última Constitución Nacional (1988). Esta periodización pretende mostrar los momentos más significativos de esa historia al poner el énfasis en el estudio de la legislación y de las instituciones represivas que marcaron la violencia política estatal en Brasil. El objetivo es dar cuenta de los desafíos que debió enfrentar la construcción de una sociedad democrática, ya que el Estado trató invariablemente como subversivas (apelando con frecuencia a un léxico anticomunista) y reprimió demandas políticas destinadas a distribuir riquezas y poder, así como cualquier tipo de manifestaciones sociales consideradas como amenazas al orden político y social.

Palabras clave



Citas


Alves, M. H. M. (1985). Estado e oposição no Brasil (1966-84). Petrópolis: Vozes.

Arns, D. P. E. et alii (1985). Brasil Nunca Mais. Petrópolis: Vozes.

Brasil. Comissão Nacional da Verdade (2014). Relatório. Brasilia: CNV.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (2007). Direito à verdade e à memória: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos / Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos - Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos.

Brito, E. M. de (2008). Do sentido aos significados do presídio de Clevelândia do Norte: repressão, resistência e a disputa política no debate da imprensa. Tesis de maestría en Historia, PUC-SP.

Campos, R. P. de (1982). Repressão judicial no Estado Novo: esquerda e direita no banco dos réus. Rio de Janeiro: Achiamé.

Cancelli, E. (1993). O mundo da violência: a polícia da era Vargas. Brasília: Ed. UnB.

DOPS: a lógica da desconfiança (1996). 2 ed. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado da Justiça, Arquivo Público do Estado.

Dulles, J. W. F. (1977). Anarquistas e comunistas no Brasil (1930-1935). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

______________ (1985). O comunismo no Brasil, 1935-1945: repressão em meio ao cataclismo mundial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Freitas, M. (2009). A história dos trabalhadores que construíram a Usiminas e morreram no Massacre de Ipatinga. BH: Comunicação de Fato.

Huggins, M. K. (1998). Polícia e política. Relações Estados Unidos/América Latina. São Paulo: Cortez.

Joffily, M. (2015). No centro da engrenagem: os interrogatórios na Operação Bandeirante e no DOI de São Paulo (1969-75). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Maia, C.N. (org.) (2009) História das prisões no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

Magalhães, M. D. B. de. A lógica da suspeição: sobre os aparelhos repressivos à época da ditadura militar no Brasil. Revista Brasileira de História. São Paulo, ANPUH/Humanitas Publicações, vol. 17, no 34, 1997. pp. 203-220.

Mattos, M. B. (2003). O sindicalismo brasileiro após 1930. Rio de Janeiro: Zahar.

Menezes, L. M. de (1996). Os indesejáveis: desclassificados da modernidade. Protesto, crime e expulsão na Capital Federal (1890-1930). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Motta, R. P. S. (2010). “Modernizando a repressão: a Usaid e a polícia brasileira”. Revista Brasileira de História, v.30, n. 59, p.237-66.

____________________ (2014). As universidades e o regime militar. Rio de Janeiro: Zahar.

____________________ (2019). En guardia contral el peligro rojo: el anticomunismo en Brasil (1917-1964). Los Polvorines: Ed. UNGS.

Nascimento, A. P. (2008). Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad.

Nasser, D. (1947). Falta alguém em Nuremberg. Rio de Janeiro, Ed. Cruzeiro.

Pedroso, C. R. (2005). Estado autoritário e ideologia policial. São Paulo: Humanitas.

Pereira, A. (2005). Political (In)Justice. Authoritarianism and the Rule of Law in Brazil, Chile and Argentina. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press.

Pinheiro, P. S. (1991). Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935. São Paulo: Companhia das Letras.

Ramos, G. (1994). Memórias do cárcere. 28 ed. Rio de Janeiro: Record.

Reina, E. (2019). Cativeiro sem fim. As histórias dos bebês, crianças e adolescentes sequestrados pela ditadura militar no Brasil. São Paulo: Alameda.

Ridenti, M. (1993). O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Ed. Unesp.

Reznik, L. (2004). Democracia e segurança nacional. A polícia política no pós-guerra. Rio de Janeiro: FGV.

Samis, A. (2002). Clevelândia: anarquismo, sindicalismo e repressão no Brasil. São Paulo: Imaginário.

Smallman, S. (2004). A profissionalização da violência extralegal das Forças Armadas no Brasil (1945-64). In Castro, Celso; Izecksohn, Vitor; Kraay, Hendrik. Nova História Militar brasileira. Rio de Janeiro: FGV, p. 389-408.

Silva, F. B. (2013). Acre, a Sibéria tropical. Desterros para a região do Acre em 1904 e 1910. Manaus: UEA.

Valente, R. (2017). Os fuzis e as flechas. História de sangue e resistência indígena na ditadura. São Paulo: Companhia das Letras.

Vargas, G. (1995). Getúlio Vargas: Diário. Rio de Janeiro: FGV.

Viana, G. (2013). Camponeses mortos e desaparecidos: excluídos da justiça de transição. Brasília: Secretaria de Diretos Humanos.

Vianna, M. de A. G. (1992). Revolucionários de 35: sonho e realidade. São Paulo: Companhia das Letras.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Boletín del Instituto de Historia Argentina y Americana “Dr. Emilio Ravignani ISSN 0524-9767 (impreso) ISSN 1850-2563 (en línea) . 25 de Mayo 221, 2do. piso (C1002ABE), C.A.B.A., Argentina http://institutos.filo.uba.ar/ravignani/