A dimensão epistêmica do discurso de um professor de Química no ensino de propriedades coligativas

Joeliton Chagas Silva, Adjane da Costa Tourinho e Silva

Resumen


Este artigo apresenta uma pesquisa que teve por objetivo analisar os movimentos de contextualização e descontextualização, por entre as dimensões empírica e abstrata do conhecimento químico, articulados no discurso de um professor em uma sala de aula do Ensino Médio. Considerou-se, ainda, as relações de tais movimentos com o uso de representações semióticas. Tendo-se em vista que a relação dialética entre empiria e teoria, assim como o uso de representações, é constitutiva do conhecimento científico, torna-se relevante verificar como tais aspectos são articulados no desenvolvimento dos conteúdos por professores junto aos seus alunos. As aulas de uma sequência temática sobre propriedades coligativas, registradas em vídeo, foram submetidas à análise por meio do software Videograph®, para a obtenção dos percentuais de tempo referentes ao emprego das categorias a priori. A dimensão qualitativa da pesquisa se deu por meio da análise dos mapas de episódios e das transcrições de episódios representativos da evolução do movimento discursivo do professor. Os resultados evidenciam a habilidade do professor em articular uma discussão que se volta para fenômenos específicos, envolvendo descrições e explicações, às generalizações da ciência, na dimensão abstrata do conhecimento. Por outro lado, o limitado uso de modelos icônicos em tal dimensão, certamente compromete uma percepção mais elaborada dos fenômenos pelos alunos.

Citas


Aguiar, O. G., Jr. Mendonça, D. H., & Silva, N. (2007, novembro). Análise do discurso em uma sala de aula de ciências: a postura do professor e a participação dos estudantes. Atas do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – VI ENPEC, Florianópolis, SC, Brasil.

Buty, C., Tiberghien, A., & Le Maréchal, J. F. (2004). Learning hypotheses and associated tools to design and to analyse teaching-learning sequences. International Journal of Science Education, 26(5), 579–604. doi: 10.1080/09500690310001614735

Gois, J., & Giordan, M. (2007). Semiótica na Química: a teoria dos signos de Peirce para compreender a representação. Química Nova na Escola, (7), 34-42.

Lidar, M., Lundqvist, E., & Ostman, L. (2005). Teaching and learning in the science classroom: the interplay between teachers’ epistemological moves and students’ practical epistemology. Science Education, 90(1), 148-163. doi: 10.1002/sce.20092

Mortimer, E., Massicame, T., Buty, C., & Tiberghien, A. (2005, novembro/dezembro). Uma metodologia de análise e comparação entre as dinâmicas discursivas de salas de aulas de ciências utilizando software e sistema de categorização de dados em vídeo: Parte 1, dados quantitativos. Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - V ENPEC, Bauru, SP, Brasil.

Mortimer, E., Massicame, T., Buty, C., & Tiberghien, A. Uma metodologia para caracterizar os gêneros de discurso como tipos de estratégias enunciativas nas aulas de ciências. (2007). In R. A. Nardi (Org.), A pesquisa em ensino de ciências no Brasil: alguns recortes. São Paulo, Brasil: Escrituras.

Mortimer, E., & Scott, P. (2003). Meaning Making in Secondary Science Classrooms. Buckingham: Open University Press.

Paixão, T. C. S., & Silva, A. C. T. (2017). As interações discursivas no ensino de geometria por meio de técnicas de dobradura e outras atividades lúdicas. Revista Paranaense de Educação Matemática, 6(11), 97-127.

Peirce, C. S. Semiótica. (2000). São Paulo, Brasil: Perspectiva.

Santaella, L. (1985). A Teoria Geral dos Signos: Semiose e Autogeração. São Paulo, Brasil: Ática.

Santaella, L. (1983). O que é semiótica. São Paulo, Brasil: Brasiliense.

Silva, A. C. T. (2008). Estratégias enunciativas em salas de aula de química: Contrastando professores de estilos diferentes. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Silva, A. C. T. (2015) Interações discursivas e práticas epistêmicas em salas de aula de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17, 69-96.

Silva, A. C. T., & Mortimer, E. (2009). Aspectos epistêmicos das estratégias enunciativas em uma sala de aula de química. Química Nova na Escola, (2), 104-112.

Silva, A. F., & Aguiar, O. G., Jr.(2011). Água na vida cotidiana e nas aulas de ciências: análise de interações discursivas e estratégias didáticas de uma professora dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências (Online), 16, 529-547.

Silva, N. S. & Aguiar, O. G., Jr. (2008). O uso dos conceitos de elemento e substância por estudantes do Ensino Fundamental: uma perspectiva de análise sociocultural. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(3), 1-17, 2008.

Wartha, E. & Rezende, D. B. (2011). Os níveis de representação no ensino de química e as categorias da semiótica de Peirce. Investigações em Ensino de Ciências, 16(2), 275-290.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias. ISSN 1850-6666 UNCPBA-NIECyT-CONICET Pinto 399 -  C.P. 7000 Tel. 0054 0249 4439653 Tandil, Buenos Aires, Argentina. reiec@exa.unicen.edu.ar