O ensino de Matemática Financeira em atividades de modelagem matemática

Jeferson Takeo Padoan Seki, Lourdes Maria Werle De Almeida

Resumen


Nesse artigo investigamos como os alunos compreendem conceitos da matemática financeira em atividades de modelagem matemática desenvolvidas em uma disciplina de Matemática Financeira em um curso de Licenciatura em Matemática. A modelagem matemática é caracterizada nesse artigo sob dois pontos de vista, modelagem descritiva e modelagem prescritiva, e é discutida em relação aos seus desdobramentos para o ensino de conceitos de matemática financeira. Considerando a Matemática Financeira como uma linguagem matemática, buscamos interlocuções entre compreensão e linguagem com base na filosofia de Ludwig Wittgenstein em duas atividades desenvolvidas por nove alunos da disciplina. A análise segue encaminhamentos da análise de conteúdo e indica três categorias emergentes: compreensão de conceitos da Matemática Financeira na modelagem descritiva, compreensão de conceitos da Matemática Financeira na modelagem prescritiva e modelagem matemática como possibilidade de integrar a Educação Financeira no ensino de Matemática Financeira. As discussões dos resultados sugerem que a compreensão de conceitos de Matemática Financeira nas atividades de modelagem matemática se dá no seguir regras de uso de conceitos da Matemática Financeira e nas explicações dos alunos acerca desses conceitos.

 


Citas


Amabis, J.M.; Martho, G. R. (2004). Biologia - Biologia das células. v. 1. 2. ed. São Paulo: Moderna.

Branco, A. U.; Salomão, S. (2001). Cooperação, competição e individualismo: pesquisa e contemporaneidade. Temas em Psicologia. v. 9 n.1, p.11-18.

Brasil. (1996). Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, Diário Oficial da União, 23 dez. 1996, p. 27833 - 27841. Disponível em:. Acesso em: 15 out. 2017.

______. Deficiência visual. Marta Gil (org.) Cadernos da TV Escola. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: MEC. Disponível em:. Acesso em: 15 out. 2017.

Cardinali, S. M. M.; Ferreira, A. C. (2010). A aprendizagem da célula pelos estudantes cegos utilizando modelos tridimensionais: um desafio ético. Benjamin Constant, Rio de Janeiro, v. 46, p. 5-12.

Cerqueira, J. B.; Ferreira, E. M. B. (2000). Recursos didáticos na educação especial. Benjamin Constant, Rio de Janeiro, n. 15, p. 1-6.

Della Justina L. A.; Rippel J. L.; Barradas C. M.; Ferla M.R. (2003). Modelos didáticos no ensino de Genética In: Seminário de extensão da Unioeste, 3. Cascavel. Anais do Seminário de extensão da Unioeste. Cascavel; p.135-140.

Fontanella. B. J. B.; Ricas, J.; Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n.1, p. 17-27.

Gil, A. C. (2007) Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Góes, M. C. R. (2000). A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cad. CEDES, Campinas, n. 50, p. 21-29.

Ismac. Instituto Sul Matogrossense para Cegos Florivaldo Vargas. (2018) Serviços prestados. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2018.

Marconi, M. A; Lakatos, E. M. (1999). Técnicas de pesquisa (4.ed). São Paulo: Atlas.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (2018). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: EPU.

Nascimento, L. M. M.; Bocchiglieri, A. (2019). Modelos didáticos no ensino de Vertebrados para estudantes com deficiência visual. Ciência & Educação (ONLINE), v. 25, p. 317-332, 2019

Oliveira, A. A. (2018). Um olhar sobre o ensino de ciencias e biología para alunos deficientes visuais. 58f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) – Universidade Federal do Espírito Santo. Centro Universitário Norte do Espírito Santo.

Oliveira, M. K. (1993). Vygotsky Aprendizado e Desenvolvimento: Um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione.

Pallatieri, M.; Grando, R. C. (2010). A importância da videogravação enquanto instrumento de registro para o professor do pensamento matemático de crianças pequenas. Horizontes, São Francisco, v. 21, n. 2, p. 21-29.

Planas, N. (2006) Modelo de análisis de videos para elestudio de procesos de construcción de conocimiento matemático. Educación Matemática, México, v. 18, n. 1, p. 37-72.

Projeto Dosvox. (2002). Núcleo de computação e eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017.

Santos, C. R.; Manga, V. P. B. B. (2009). Deficiência visual e ensino de Biologia: pressupostos inclusivos. Revista FACEVV, Vila Velha, n. 3, p. 13-22.

Silva, L. H. A. (2013). A perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano: ideias para estudo e investigação do desenvolvimento dos processos cognitivos em ciências. In: GULLICH, R. I. C. (org.). Didática das Ciências. Curitiba: Prismas.

Silva, T. S.; Landim, M. F.; Souza, V. D. R. M (2014). A utilização de recursos didáticos o processo de ensino e aprendizagem de ciências de alunos com deficiência visual. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 13, Nº 1, 32-47.

Vaz, J. M. C.; Paulino, A. L. S.; Bazon, F. V. M.; Kill, K. B.; Orlando, T. C.; Reis, M. X.; Mello, C. (2012). Material didático para ensino de biologia: possibilidades de inclusão. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 12, n. 3, p. 81-104.

Vázquez-Alonso, A.; Manassero-Mas, M. A.; ACevedo-Díaz, J.A.; Cevedo-Pomero, P. (2008). Consensos sobre a Natureza da Ciência: A Ciência e a Tecnologia na Sociedade. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 27, p. 34-50.

Vinholi Júnior, A. J. (2015). Modelagem Didática como estratégia de ensino para a Aprendizagem Significativa em Biologia Celular. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Centro de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande-MS.

Viveiros, E. R.; Camargo, E. P. (2011). Deficiência visual e educação científica: orientações didáticas com um aporte na neurociência cognitiva e teoria dos campos conceituais. Góndola: Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, Francisco José de Caldas, v. 6, n. 2, p. 25.

Vygotsky, L. S. (1997). Obras Escogidas: V – Fundamentos da Defectologia. Madrid: [s.e.].

Vigotski, L. S. (2000). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (1931/2006). Paidología del adolescente. In: Vygotski, L. S. Obras Escogidas – Tomo IV: Psicología infantil. 2 ed. Madrid: Visor.

Vigotski, L. S. (2007). A Formação Social da Mente. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Viveiros, E. R.; Camargo, E. P. (2011). Deficiência visual e educação científica: orientações didáticas com um aporte na neurociência cognitiva e teoria dos campos conceituais. Góndola: Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, , v. 6, n. 2, p. 25.

Wertsch, J. V. (1985). Vygotsky and the social formation of mind. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias. ISSN 1850-6666 UNCPBA-NIECyT-CONICET Pinto 399 -  C.P. 7000 Tel. 0054 0249 4439653 Tandil, Buenos Aires, Argentina. reiec@exa.unicen.edu.ar