Concepções de Natureza da Ciência de futuros Professores de Química: reflexões a partir de um Programa de Formação orientado para a História e Filosofia da Ciência

Jheniffer Micheline Cortez, Neide Maria Michellan Kiouranis

Resumen


Este estudo buscou compreender quais as concepções acerca da Natureza da Ciência são explicitadas por futuros professores de Química e como um Programa de Formação Inicial, orientado para História e Filosofia da Ciência pode influenciar nestas visões. Participaram da pesquisa seis licenciandos em química, em fase final do curso, inseridos no contexto do Estágio Supervisionado. Para constituição dos dados foram utilizados os questionários Views of Nature of Science Questionnaire (VNOS) de Lederman e colaboradores (2002) e Views on Science and Education Questionnaire (VOSE) de Chen (2006). O primeiro questionário, com 10 questões abertas, foi analisado a partir de categorias estabelecidas a priori e o segundo, composto de 15 questões fechadas com diferentes graus de concordância, foi examinado com base no cálculo do ranking médio de concordância com as afirmações. Em seguida, buscou-se classificar as concepções com base nas visões de Ciência discutidas por Cachapuz et. al. (2005). Foi possível identificar, por meio da análise das informações empíricas, algumas noções de que a ciência é uma construção humana e influenciada por seu contexto de produção. No entanto, algumas nuances como a importância do método científico e da experimentação, bem como a diferença entre teorias e leis ainda necessitam ser esclarecidas e aprofundadas. Pode-se ainda depreender que o Programa de Formação vivenciado pelos licenciandos contribuiu de maneira significativa para que esses futuros professores compreendessem de forma mais contextualizada, sobre a ciência e sua construção, principalmente no que se refere aos aspectos trabalhados nas atividades em sala de aula, tais como o caráter subjetivo da ciência, a proposição de modelos e a criatividade e imaginação do cientista no fazer científico.

Citas


Acevedo, J. A. (2008). El estado actual de la naturaleza de la ciencia en la didáctica de las ciencias. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias. 5(2), 134-169. Recuperado de: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=92050202

American Association for the Advancement of Science (AAAS). (1989). Science for all Americans: A Project 2061 report on literacy goals in science, mathematics, and technology. Washington, DC.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 5 (2), 337-355. Recuperado de: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen5/ART8_Vol5_N2.pdf

Cachapuz, A., Gil-Pérez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J. & Vilches, A. (2005). A necessária renovação no ensino das ciências. São Paulo: Cortez.

Carvalho, A. M. P. & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 7 ed. São Paulo: Cortez.

Chalmers, A. F. (1993). O que é a ciência afinal? São Paulo: Brasiliense.

Chamizo, J. A. (2013). A New Definition of Models and Modeling in Chemistry’s Teaching. Science & Education, 22, 1613–1632. Recuperado de: https://doi.org/10.1007/s11191-011-9407-7

Chen, S. (2006). Development of an Instrument to Assess Views on Nature of Science and Attitudes Toward Teaching Science. Science Education, 90(5), 803-819. Recuperado de: https://doi.org/10.1002/sce.20147

Durbano, J. P. M. (2012). Investigação de concepções de alunos de ciências biológicas do IB/USP acerca da Natureza da Ciência. 203 p. Dissertação (Mestrado em ciências biológicas) - Instituto de biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Durbano, J. P. M. & Prestes, M. E. B. (2013). Comparação das ferramentas VNOS‐C e VOSE para obtenção de concepções de alunos do IB/USP acerca da Natureza da Ciência. In: Aprendendo ciência e sua natureza: abordagens históricas e filosóficas. Silva, C. C.; Prestes, M. E. P. (Orgs). São Carlos: Tipographia Editora Expressa, 235-250.

Fourez, G. (1995). A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A. & Praia, J. (2001). Para uma imagem não-deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 121 – 133. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/01.pdf

Irzik, G. & Nola, R. (2011). A family resemblance approach to the nature of science for science education, Science & Education, 20(591). Recuperado de: https://doi.org/10.1007/s11191-010-9293-4

Lederman, N. G. (1992). Students’ and teachers’ conceptions of the nature of science: Areview of the research. Journal of Research in Science Teaching, 29(4), 331–359. Recuperado de: https://doi.org/10.1002/tea.3660290404

Lederman, N. G., Abd-El-Khalick, F., Bell, R. L. & Schwartz, R. S. (2002). Views of nature of Science questionnaire: Toward valid and meaningful assessment of learners’ conceptions. Journal of Research in Science Teaching, 39(6), 497-521. Recuperado de: https://doi.org/10.1002/tea.10034

Lederman, N. G. (2007). Nature of science: past, present, and future. In: Abell, S.K.; Lederman, N.G. (eds). Handbook of research on science education. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 831-880.

Lederman, N. G., Lederman, J. S., & Antink, A. (2013). Nature of science and scientific inquiry as contexts for the learning of science and achievement of scientific literacy. International Journal of Education in Mathematics, Science and Technology, 1(3), 138-147. Recuperado de: https://ijemst.net/index.php/ijemst/article/view/19

Lederman, N. G., Bartos, S. A. & Lederman, J. (2014). The development, use and interpretation of NOS assessments. In: M.R. Matthews (ed.). Handbook of historical and philosophical research in science education. Dordrecht: Springer.

Lederman, N. G. & Lederman, J. S. (2014). Is nature of science going, going, going, gone? Journal of Science Teacher Education, 25(3), 235-238. Recuperado de: https://doi.org/10.1007/s10972-014-9386-z

Matthews, M. R. (1995). História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/7084

Matthews, M. R. (2012). Changing the focus: From nature of science (NOS) to features of science (FOS). In: M.S. Khine (Ed.), Advances in nature of science research: Concepts and methodologies. Dordrecht, Netherlands: Springer.

Matthews, M. R. (2015). Science Teaching: The Contribution of History and Philosophy of Science (20th Anniversary Revised and Expanded Edition). New York: Routledge.

Minayo, M. C. S. & Gomes, S. F. D. R. (Org). (2012). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 32 ed. Petrópolis: Vozes.

Mortimer, E. F. (1992). Pressupostos Epistemologicos para uma metodologia de Ensino de Quimica: Perfil Epistemológico e Mudança Conceitual. Quimica Nova, 15(3), 242-249. Recuperado de: http://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=1593

Moura, B. A. (2014). O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, 7(1), 32-46. Recuperado de: http://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1932

National Science Teachers Association (NSTA). (1982). Science-technology-society: Science education for the 1980s (An NSTA position statement). Washington, DC: Author.

Oliveira, L. H. (2005). Exemplo de cálculo de Ranking Médio para Likert. Apostila do Curso de Metodologia Científica e Técnicas de Pesquisa em Administração. Varginha: Faculdade Cenecista de Varginha.

Saito, F. (2013). “Continuidade” e “descontinuidade”: o processo da construção do conhecimento científico na História da Ciência. Educação e Contemporaneidade. Revista da FAEEBA, 22(39), 83-194. Recuperado de: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/338

Teixeira, E. S., Freire, O. Jr. & El-Hani, C. N. (2009). A influência de uma abordagem contextual sobre as concepções acerca da natureza da ciência de estudantes de física. Ciência & Educação, 15(3), 529-556. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132009000300006

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso.


Texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Licencia de Creative Commons
Esta obra está licenciada bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina .

Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias. ISSN 1850-6666 UNCPBA-NIECyT-CONICET Pinto 399 -  C.P. 7000 Tel. 0054 0249 4439653 Tandil, Buenos Aires, Argentina. reiec@exa.unicen.edu.ar